All posts in Sem categoria

 

11038247_917934298228448_3784871331235916184_n

O uso da calça jeans é básico, universal e praticamente necessário a todos os homens. Ter um jeans no armário é obrigatório, mas não vá achando que dá pra usar de qualquer maneira ou qualquer calça que você achou por aí. Existe um certo padrão de utilização, além da variedade de modelos. Tipos de jeans com a barra mais justa, mais folgadas, números de bolso… Há alguns detalhes para prestar atenção na hora de escolher o melhor jeans e te ajudaremos a esclarecer algumas dúvidas sobre essa peça fundamental no visual de todo homem.

TAMANHO

O tamanho do jeans é um tema importantíssimo na utilização da peça. A calça tem que ter bom caimento e se ajustar ao seu corpo, então não compre calças largas demais ou justíssimas. O jeans laceia, então experimente comprar um número abaixo ao que você está habituado para que não fique largo demais depois. Cuidado com o cinto também, para que a cintura não fique “franzida” – isso acontece se você precisar apertar muito o cinto.

BARRA

A barra é outro aspecto que merece atenção e tem a ver com o tamanho. Não deixe que ela seja enorme, sobrando absurdamente em cima do seu calçado, como se ela tivesse vida própria quando você a olha. Busque ajustá-la para não sobrar muito. Há um ou outro modelo que permite alguma sobra, mas o recomendado é estar mais ajustada.

BOLSOS E DETALHES

Quanto mais bolsos, mais zíperes e mais botões sua calça tiver, menos ela vai combinar com uma variedade maior de roupas. Esse número de detalhes vai tirando a principal característica dela, que é ser básica e transferir o foco para outras peças. Aposte em jeans mais clássicos.

denim-jeans-manufacturer-jeansmanufacturerbd

TIPO – SKINNY 

Agarrada ao corpo, se molda à cintura e à canela. Por isso a skinny deve ser usada por pessoas com as pernas mais finas. Coxas grossas e pernas grandes ficam estranhas, porque transferem imediatamente o olhar para essas partes, o que não é legal.

TIPO – SLIM

A slim é parecida com a skinny, mas não se agarra tanto às pernas. E assim como a skinny, a slim favorece os mais magros, pois pessoas de estrutura física um pouco maior podem sentir a calça um pouco apertada demais.

TIPO – BOOTCUT

Modelo de calça jeans bom para quem curte se vestir a caráter para um rodeio. A bootcut, como a própria tradução sugere (corte de bota), é feita para os que utilizam botas. Seu quadril tem ajuste normal, mas a barra da calça ganha uma boca maior.

TIPO – LOOSE FIT

O estilo preferido de fãs do hip-hop, rap, de skatistas… A loose fit é mais larga, não se ajusta certinho nem no quadril e nem na canela. Por já ser larga, não há a necessidade de comprar uma calça dois números maior que o seu tamanho, como muitos fazem. Ela já é folgada o suficiente – boa para quem está acima do peso.

TIPO – RETA

Reta. Assim, curto e grosso.

Não tem muito segredo: é o corte mais básico e, portanto, um dos mais procurados pelos homens. Não fica ajustada e nem folgada demais ao longo de seu comprimento. Boa para todos, seja para altos ou baixos, magros ou gordinhos.

TIPO – CARROT

Como uma cenoura, o topo começa maior e vai afinando até a parte de baixo. A calça carrot (daí o nome) segue esse mesmo desenho, com folga na região do quadril e afinamento até a canela. Funciona bem para quem está acima do peso. Se uma pessoa magra for usá-la, cuidado para não franzir demais a calça com o cinto, pois fica feio.

Fonte: Blog Masculino

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dudalina Masculina

Dudalina Online

img_7138

dudalina2

Diferente das mulheres, a nossa cartela de possibilidades, no quesito calçado, é infinitamente menor. Quando o assunto é sapatos sociais masculinos, as variações são ainda mais restritas. Por isso mesmo, o ideal é apostar em modelos que ofereçam conforto, estilo e uma versatilidade, para combinar com peças diferentes. No quesito pisante, a moda masculina dura por várias temporadas. Dessa forma, a recomendação é investir em modelos de boa qualidade e adequados para diversas ocasiões. Não se preocupe em gastar um pouco mais, pois os cuidados certos garantirão que o calçado dure anos e o seu investimento valerá, e muito, a pena.

Confira os estilos clássicos de sapatos sociais masculinos que separamos para você.

  • SAPATO ESTILO OXFORD

 

Um SocialOxforddos maiores clássicos da moda masculina, o Oxford é o mais elegante e sofisticado sapato para homens. O calçado originou-se na Escócia e na Irlanda, era o modelo favorito do rei Eduardo VII, filho da rainha Vitória, que o usava no castelo escocês de Balmoral. Ganhou este nome depois que ganhou a preferência dos jovens estudantes da Universidade de Oxford, possibilitando uma nova maneira de calçar sapatos fechados e com amarrações. Sem abas e todo costurado, tem o bico arredondado. É o mais formal e chique, proporcionando ao homem um estilo mais arrumadinho. É indicado para acompanhar blazers, ternos e combinações com camisas sociais. Caso você tenha uma pegada mais fashion, pode combinar seu outfit com roupas mais casuais.

  • SAPATO ESTILO BROGUE

SocialREstilo - Oxford (2)

O estilo Brogue foi uma derivação do Oxford, criado por escoceses e irlandeses para ser usados por trabalhadores e caçadores, pessoas que passavam pelos mais diversos terrenos, entre eles: charcos, pântanos e lamaçais. Ganhou os pés masculinos devido a sua funcionalidade, já que permitia aos britânicos que afundassem seus pés na água gelada, ela escoasse rapidamente, tornando a secagem do sapato mais fácil. Sua principal diferença são seus furinhos, que podem estar só na ponta ou ao redor do sapato. O bico pode ser comprido e fino ou arredondado. Há também modelos cuja biqueira possui detalhes em forma de “W”. O modelo é uma opção mais informal e descolada. Com variações de cores e diversos detalhes, pode ser usado em qualquer ocasião do cotidiano, com roupa social ou mesmo jeans. Já os calçados mais escuros e discretos valem para o trabalho e festas com menos formalidade.

  • SAPATO ESTILO DERBY

Social Estilo Derbi

Originalmente, o modelo era chamado de blucher, graças ao general Gebhard Blücher, que derrotou Napoleão na Batalha de Waterloo. Ele utilizava botas com abas costuradas por cima do cabedal do calçado. É um sapato de cadarços e pode ser de bico mais quadrado, sem a divisória na ponta. A grande diferença é que ele tem abas na altura do cadarço. É menos formal que o sapato Oxford, podendo ser usado com costume, blazer e calça sem gravata. Também pode ser usado com jeans dependendo do modelo e da ocasião. O Derby é bom para quem tem o peito do pé alto.

 

 

 

  • SAPATO ESTILO LOAFER

Sapato Estilo - Loafer

Criado na década de 1930, foi desenvolvido pela família americana Spaulding, de New Hampshire. Inspirados em um artigo na publicação Esquire, eles batizaram o calçado em referência à área onde as vacas descansavam antes da ordenha (Loafing area). Para popularizar o estilo, o norte-americano George Henry Bass criou os weejuns (pronuncia-se “uídjans”), a faixa de couro com um losango vazado na parte que cobre o peito do pé. Na década de 1960, sua marca G. H. Bass & Co se tornou muito popular entre os universitários norte-americanos. Ficou famoso nos pés dos atores James Dean, nos anos 50. O estilo Loafer é um sapato masculino fechado, sem cadarço e sem fivela, que se distingue por uma faixa de couro com um desenho vazado na área superior do peito do pé. O modelo é bem casual e a recomendação é utilizar o sapato social com calça jeans, combinando com camisa polo.

DICAS PARA MANUTENÇÃO DE SEUS SAPATOS SOCIAIS

– Evite usar o mesmo sapato mais de um dia seguido. Os de boa qualidade são forrados de couro natural, absorvendo o suor dos pés. Dessa forma, é fundamental deixar o calçado respirar ou lembre-se de secá-lo antes de usar.

– Guarde em local seco e, preferencialmente, com uma forma de madeira dentro do papel que o acompanha. Isso ajuda a manter a forma do calçado, não criar dobras e rugas.

– Usar água diretamente no calçado vai deformá-lo. Se precisar, utilize um pano úmido.

– Não use graxa e cremes à base de querosene, que oferecem um aspecto brilhante ao calçado, mas ressecam o couro com o tempo. Prefira os produtos à base de água.

Fonte: Blog Masculino

 

 

 

 

 

 

 

regras-terno-9

E aí meu parceiro vendedor, tudo bem?

Quando comecei a organizar este artigo, pensei em escrever sobre as inúmeras técnicas de vendas que me são solicitadas todos os dias por e-mail ou pelo Facebook, mas, apesar de ser um estudioso e amante das técnicas de vendas, resolvi escolher o tema baseando-se em uma frase que uso nas minhas palestras:VENDEDOR BONZINHO NÃO VENDE!É impressionante o tamanho da passividade da maioria dos vendedores diante das inúmeras desculpas e da natural desconfiança dos clientes.

Meu irmão, se você está recebendo alguém na sua loja/na sua empresa, a sua taxa de conversão tem que ser altíssima.Se você visita alguém que tem perfil e disponibilidade financeira para comprar, a sua taxa de conversão tem que ser altíssima!

Se você fecha poucas vendas, você deve ficar revoltado.  E esse sentimento deve ser com você, e não
com o cliente!

Se você aceitar todas as desculpas que os clientes têm para não comprar, você está perdido! Tem vendedor que entra na “pilha” do cliente. O cliente diz: “nossa, esse orçamento está caro” e o vendedor bonzinho diz: “nossa, está caro mesmo, eu já falei para o meu chefe que tem que ter um desconto, etc., etc., etc.”.

O cliente quer comprar, ele só precisa de uma “ajuda” sua.Só saia da reunião com seu cliente com a certeza de que não existe mais nenhuma possibilidade de venda, e mesmo assim, você ainda pode sair de lá com algo: UM APRENDIZADO!

Se você utilizou todas as técnicas e argumentos e ainda assim não deu para vender, feche a sua pasta, guarde sua caneta e calculadora e diga:“Senhor Carlos, agora que não estamos mais negociando, me diga onde eu errei, qual foi o motivo de o senhor não ter comprado de mim?”No mínimo, você vai identificar seus erros – para não errar mais. Outra coisa que pode acontecer é ele falar o real motivo e vocês voltarem a negociar dessa maneira:“Compreendo, senhor Carlos. Agora sei por que o senhor não comprou de mim. Deixe-me fazer uma pergunta: se, juntos, encontrarmos uma solução para esse problema, e que seja boa para senhor, o senhor repensaria a possibilidade de fazermos negócio?”

Não se esqueça, ESGOTE (de maneira correta e educada) todas as chances do seu cliente comprar de você. Seu tempo vale muito dinheiro. Se você já está atendendo, não perca essa oportunidade!

 

Catálogo BASE - Ring Road-page-015

O jeans é uma das peças mais presentes no guarda roupas tanto de homens quanto de mulheres. Em diversos tons e modelos, são democráticos e permitem looks dos mais variados.

Mas você sabe como conservar o seu jeans? Alguns cuidados são importantes para fazer essa peça durar mais tempo.

12227180_920702231299556_1531161909345165548_n

 

 

 

1 – use algumas vezes
Na primeira vez que você lava o jeans é normal que ele desbote, por isso, use-os algumas vezes antes de lavar. O mesmo vale para as próximas lavagens.

2 – água fria na lavagem e sombra
A água quente faz com que o tecido libere a coloração e desbote, por isso lave em água fria. Na hora de secar, deixe o jeans na sombra, pelo mesmo motivo.

3 – vinagre ou sal
O vinagre e o sal ajudam a manter a tonalidade dos tecidos e não deixam aquela aparência de velho. Para usar o vinagre, coloque 200ml de vinagre na máquina para lavagem. Se preferir o sal, coloque duas colheres de sopa para cada 4 litros e deixe de molho por uma hora.

4 – Lave o jeans do avesso
Assim você evita que a parte tingida do tecido entre em contato direto com o sabão e ajuda a manter a tinta.

5 – Não guarde em cabides
Na hora de guardar o seu jeans, não deixe-os em cabides ou dobrados, para evitar que o tecido crie vincos. Guarde-os enrolados, assim você também ocupa menos espaço.

 

 

Fonte: Blog Masculino

img_20090429_172614

Segundo especialista em design de moda, o segredo está na qualidade do algodão

As primeiras semanas do mês de janeiro na cidade de São Paulo já deixaram uma marca: o forte calor, que, ao que tudo indica, deve ser recorde. Os termômetros não deixam mentir e, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologista), o último sábado (17) teve a temperatura mais alta até agora, 35,7ºC. Em dias de sol escaldante, vestir uma camisa de manga comprida e fechar os botões até o pescoço não é uma experiência muito agradável. Para te ajudar a sofrer menos com o verão, a GQ conversou com a professora do curso de Design de Moda do Centro Universitário Belas Artes Dhora Costa e listou quais tecidos você pode usar e quais deve evitar.

 

img_20090429_172614
USE

Gaze: segundo a professora, dá para investir nas camisas deste tecido, que geralmente é usado na Riviera Francesa em dias quentes. São composições estampadas, como o xadrez vichy, que tem listras finas e miúdas. “O empresário pode usar com gravata e paletó. Ele ficará esportivo, mas sem perder a elegância”, afirma.

Chambray: Dhora aposta também no tecido chambray, que é uma fibra natural (algodão). “Apesar de ser um jeans, a espessura é leve e ideal para temperaturas altas”.

Tricoline: também desenvolvido com algodão, o tricoline é mais leve e atende a um mercado cada vez mais sofisticado, principalmente as camisarias masculinas.

Algodão egípcio: é indiscutível a qualidade do algodão africano, diz a professora. É um tecido mais macio e fino, por isso, não dá a sensação de peso no corpo do homem que usa.

Seda: para Dhora, o homem de negócios também pode investir na seda, mas com uma ressalva: o excesso de suor, principalmente na região das axilas. “Se é uma pessoa que transpira muito, este tecido pode jogar contra e deixar a famosa ‘pizza’ embaixo dos braços”.

 

roupa-para-trabalhar-no-calor-3

NÃO USE

Linho: são tecidos mais pesados e que tendem a esquentar mais durante o calor. “Ele é indicado para meia-estação, no outono, por exemplo”, diz a professora.

Lã: no dia a dia, o blazer cai bem. No entanto, no verão, um blazer de lã normal esquenta em excesso. Se a ocasião exigir esta peça, recorra aos blazers de lã fria, pois são pensados para a Primavera/Verão.

Flanela: só se for para o Outono/Inverno. “No calor, é capaz do homem ficar desidratado”, brinca Dhora.

 

Fonte: QG

12227180_920702231299556_1531161909345165548_n

Algumas coisas nunca saem de moda. Ao longo de décadas, elas se tornam “clássicos” e arquétipos. Existe toda uma série de relógios, carros, móveis e até eletrônicos de consumo que se tornaram ícones de uma época. No mundo da moda, o denim é, sem dúvida, o tecido mais emblemático e as calças jeans produzidas com ele são usadas em todo o planeta. Mas por que é assim? Comecei a pesquisar sobre a história do denim e as mais recentes tendências para identificar três razões pelas quais não podemos substituir nossos jeans.

A versatilidade do jeans

A relação que temos com nossos jeans é o que o torna tão especial. É improvável que sintamos o mesmo apreço com outra peça de roupa. Com o jeans é diferente. Que outra peça de roupa fica mais atraente com o passar dos anos quando vai ficando desgastada? Não é para dar esse efeito do tempo que as lavanderias utilizam processos de puídos e rasgados nas calças para parecerem velhas?

No Japão, colecionadores pagam fortunas por peças antigas e surradas de jeans e diferente de outras roupas, quanto mais você usá o jeans, mais você a ama. A versatilidade, as memórias e sentimentos que associamos ao jeans o tornou a peça de roupa mais querida e usada pelos jovens de todo o mundo, o que torna essa humilde peça de vestuário em algo eterno. Mas parte da explicação também é encontrado na sua história.

11168009_867330646636715_3583882403145609764_n

 

 

Jeans do passado para o presente e futuro

O que é Denim? É o algodão que tramado e enrolado, vira o rolo de tecido cujos fios são tingidos de índigo, seguido por um processo de foulardagem – sistema de impregnação de substâncias químicas têxteis nos tecidos – e oxidação ao ar, responsáveis pela intensidade do azul no tecido. O jeans é a peça de roupa composta pelo denim tingido com o índigo. Sua calça, bermuda, camisa, jaqueta e seu short são grandes exemplos de jeans.

O jeans tem desempenhado um papel central na maioria das décadas da moda desde a Segunda Guerra Mundial. Os jovens rebeldes dos filmes deram seu primeiro impulso ao jeans na década de 1950, e na década de 1960, os hippies fortaleceram a conexão entre rebelião e o jeans. Mas na década de 70, o tecido denim perdeu impulso para o poliéster e só voltou a acelerar em meados dos anos 80.

Desde então, o jeans não parou mais de influenciar a moda, e não importa em qual década no infinito ciclo da moda nos inspiramos, o jeans é parte dela. Quer se vestir como James Dean, Marlon Brando, Steve McQueen, Robert Redford, Bruce Springsteen, Kurt Cobain ou Rolling Stones, o jeans é parte do guarda-roupa. De acordo com essa lógica, nós também vamos usar jeans em 2030 mas com novas tecnologias integrados ao tecido como é o caso do Odo Denimque não precisa ser lavado, não dá mal cheiro e nunca suja.

 

11219299_910595578976888_787824113672929494_n

 

Denim bruto 

O denim bruto conhecido como “raw denim” é aquele que não foi tratado e lavado industrialmente antes de atingir as prateleiras das lojas. Durante muitos anos, foi o único tipo de peça jeans que você poderia comprar. Mas, como as lavandarias de jeans, especialmente as italianas, nos anos 80 começaram a recriar puídos  e desgastes autênticos, os consumidores começaram a amar usar jeans com cara de desgastados. Mas no início de 2000 algo aconteceu.

A moda andrógina e minimalista se tornou popular, e marcas como Nudie, APC e Dior Homme fizeram com que muitos homens estilosos escolhessem usar jeans escuros e com design simples. Ao longo da década de 2000, uma subcultura de entusiastas do denim cresceu em paralelo com a Internet e vimos um retorno às raízes do denim e uma busca do estilo autêntico e original. Surgiram vários tipos de fóruns dos amantes do denim que compartilharam suas dicas.

Foi aí que a tendência do denim bruto atingiu a mídia global poucos anos atrás, e vários “atelier de jeans” começaram a aparecer em todo o mundo. Alguns são mais tecnicamente competentes que outros, mas esses alfaiates compartilham a mesma visão de personalizar a experiência do consumidor com seus jeans. O jeans é feito sob pedido do consumidor e ele escolhe o tecido e os detalhes. Mas, alguns consumidores também estão se movendo na direção oposta optando a não usar o denim.

 

Tingindo de índigo o denim 

O índigo tem sido usado para tingir roupas azuis desde que Tutancâmon governava o Antigo Egito. Mas, não foi até Jacob Davis e Levi Strauss criarem o primeiro par de calças de denim rebitadas, e especialmente após a introdução do índigo sintético em 1897, que a cor azul profundo realmente atingiu os mercados de massa. A singularidade do denim tingido de índigo, e a razão pela qual nós amamos isso, é que a cor não se liga bem ao algodão. Para obter o denim azul, o corante é dissolvido na água, na qual o fio é mergulhado.

 

 

 

Uma característica marcante desse tipo de tecido é o tingimento com anil (também conhecido como índigo). Este corante não tem muita afinidade com o algodão, por isso o tingimento fica apenas superficial nos fios de urdume, formando em cada fio um anel azul e deixando o núcleo branco. Com isso a solidez da cor é muito baixa ao atrito, onde o tecido sofre atrito perde a sua camada superficial de fibras e com isso perde a sua cor.

Ao longo dos últimos anos, os tecidos sintéticos tem recuperado a popularidade com tecidos mais confortáveis e elásticos de usar como por exemplo o jersey e sintéticos. O resultado são tendências como o Athleisure inspirada na flexibilidade atlética das roupas de ginástica e atividade física que podem ser usadas nas ruas e não só nas academias. Um dos exemplos mais conhecidos é a Jogg Jeans, que é uma nova e eletrificante categoria híbrida de produto da Diesel, que combina dois dos mais importantes materiais do vestuário casual: o denim e a malha, criando um segmento totalmente novo.

Adicione a isso a moda sportswear  com seus tecidos sintéticos que muitos jovens da geração Y escolhem em vez de jeans. Não é de admirar que as vendas de jeans diminuíram ligeiramente nos últimos anos, pois os estereótipos de herança de moda estão sendo desafiados, mas mesmo assim eu não acredito que o jeans vai sair de moda. O jeans sempre vai se reinventar para continuar a agradar as novas gerações.

Por estas razões, o jeans não vai sair de moda

denim-jeans-manufacturer-jeansmanufacturerbd

 

Apesar das tendências que ameaçam o reinado do denim, é impossível imaginar um mundo sem esse tecido tão amado e durável. Em primeiro lugar por causa da versatilidade do denim e os sentimentos que evocam nossos jeans. Em segundo lugar, o jeans se tornou uma parte tão arraigada do ciclo da moda que sempre estará, de um modo ou de outro, na moda.

O jeans lida com as emoções humanas. Para alguns, é fazer parte de uma comunidade, para outros é o oposto. O jeans é pé no chão e ao mesmo tempo rebelde. É durável e fiel. Poucos clássicos do guarda-roupa comunicam tanto a individualidade, juventude e a rebeldia como o jeans. É difícil encontrar alguém que não goste dele, principalmente pela sua característica de rejuvenescer quem o usa, e é por isso que o jeans não vai sair de moda.